O Ano da Morte de Ricardo Reis, 1984 (José Saramago)

O ano da morte de Ricardo Reis, de José Saramago – contraCenas

Eu nunca tinha lido Saramago, até o último natal, quando minha mãe me presenteou com O Ano da Morte de Ricardo Reis, de acordo com ela, “porque nosso sobrenome é Reis”.

Li ele inteiro em 2 dias. Nele mostra-se os últimos dias deste poeta, que na verdade, não existiu. Ricardo Reis foi um pseudônimo do Fernando Pessoa. Quando Pessoa morreu, não houve um fim para a história de Ricardo. É nesse gap que Saramago atua.

Médico, passou 16 anos no Rio de Janeiro e voltou para Lisboa sem saber ao certo o por quê, apenas sentiu que era hora de voltar. Sem família nem amigos, vaga pelas ruas e se hospeda em uma pousada, da qual os funcionários e hóspedes se tornam os personagens da trama. Entra em um triângulo amoroso com a camareira e com uma hóspede deficiente física. Tudo sob os olhos do amistoso, porém fofoqueiro, gerente do hotel.

O Ano da Morte de Ricardo Reis: um espelho de um passado atual

Paralelo a isso, um quê de realismo fantástico faz Fernando Pessoa, em espírito, visitá-lo, no que eles conversam como se estivessem num bar – de poesia a aventuras amorosas e provocações.

O pano de fundo de todos esses acontecimentos é o pré-fascismo de Salazar em Portugal, que adiciona um clima mórbido e sombrio à Lisboa de 1936.

\\

Para ser grande, sê inteiro:
nada teu exagera ou exclui.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s