Entre negronis e limerancias

Obviamente cheguei no rolê cedo. Não sei mais ser solteiro. Era um sábado frio e tinha marcado 19h com um amigo e uma amiga na Cinelândia. Às 19h eu já estava lá e eles disseram que ainda iam demorar. Fui tomado por uma tristeza bem intensa. Andei um tempo por ali, entre os mendigos e a pequena multidão que entrava no Theatro Municipal pra assistir ao Lago dos Cisnes. Eu queria ver, mas não consegui ingresso. Quando começou o espetáculo, na Cinelândia só restaram os mendigos e o frio. E eu.

Entrei no amarelinho, pedi um chopp. Lembrei do tempo em que a solidão não me parecia tão enclausurante. Eu gostava, até. Acho que é porque morava com meus pais, estudava e trabalhava. A solidão nesses casos é um luxo. Numa noite fria, não. Naquela, especificamente, eu estava bem triste.

Notei um quadro escrito Negroni. Pedi um. Gin, vermute, campari, uma fatia de laranja e uma pedra grande de gelo. Isso não me diz muito – detesto gin, não sei o que é campari nem vermute. Laranja eu sei. Mas Negroni tem um branding que me pega, é um ruim gostoso.

Ao longo do primeiro eu li um artigo sobre filosofia e um sobre arte: Pedi outro, e no segundo Negroni li um chamado Crush Fadigue :

***

Em seu livro de 1979 Love and Limerence, a psicóloga Dorothy Tennov se propôs a dar um relato formal da “experiência de estar apaixonado” – não do amor a si mesmo, no sentido de um profundo vínculo mútuo, mas de “limerência”, a “condição da obsessão cognitiva” que marca uma paixão séria: os pensamentos intrusivos, os altos e baixos selvagens desencadeados pela sua percepção da percepção deles de você. Aprendi sobre “limerência” através de uma amiga: eu estava falando sobre alguém, não me lembro quem, e ela me disse que havia um termo para o que eu sempre interpretei como um sintoma de fraqueza. Desde então, passei esse termo para vários amigos, que ficaram tão aliviados quanto eu.

(…) É uma anatomia da paixão sem esperança, uma síndrome “tanto extrema quanto banal”, que é chocantemente uniforme: para aqueles de nós propensos à limerência, há poucas surpresas além do fato de que algumas pessoas nunca passam por isso. O fato do livro é suficiente. Parte do tormento da paixão é que ela consome tudo e é totalmente frívola; Tennov legitimou um estado de sentimento aparentemente ilegítimo.

Crushes mapeiam a vida com significado e alegria, e eu sempre escolheria o desgosto em vez do tédio. Eles também podem ganhar comigo como uma força assustadora e imprevisível que me tira da minha vida e me deixa cair de volta, meses depois, com muita bagunça para limpar. Eles se sentem perturbadores e desperdiçadores – uma má alocação de energias emocionais, uma fonte de dor desproporcional por razões estúpidas – e, embora seja em parte o ponto, eles me alienam de mim mesmo: crush envolve a adoção de um conjunto de padrões hipotéticos contra os quais estou necessariamente carente. Pior é a sensação de inadequação, como se esses apegos fossem de alguma forma uma violação, ou degradação, da pessoa por quem estou crushing: é como se eu os tivesse clonado acidentalmente sem o conhecimento ou consentimento deles. A coisa mais perversa sobre a limerência é o quão impessoal ela é.

(…) você faz um conhecido efêmero ou clica em um link para um conjunto totalmente novo de prioridades, suposições e padrões de lógica, às vezes totalmente em desacordo com o seu próprio e, no entanto, igualmente convencido de si mesmo. A questão não é apenas que o contexto sangra e desmorona; é que cada nova janela se abre para um horizonte diferente de preocupação, cada um com apostas muito diferentes, mas igualmente urgente.

“Assim como todos os caminhos levam a Roma”, escreve Tennov, “quando sua limerência por alguém se cristalizou, todos os eventos, associações, estímulos, experiências retornam seus pensamentos a LO [objeto leve] com consistência irritante”.

No auge da limerência, como acontece com a hipocondria, minha atenção está condenada a escapar das tarefas diárias para horas de ladainha e quantificação: contar as evidências a favor e contra; calcular as probabilidades; reunir e remontar as narrativas em que x é verdadeiro e nas quais não é.

A grande ironia na limerência, é claro, é que, ao perseguir a ideia de outra pessoa, você só se envolve em você. A obsessão, como observa uma das fontes de Tennov, é terrivelmente egoísta; até mesmo a bondade para com a LO é um prazer privado, enquanto a bondade para com qualquer outra pessoa é tédio, a menos que você imagine a aprovação da sua LO. Em um ensaio para o New Inquiry, Tiana Reid observou que “parar de fumar parece mais fácil” do que parar uma crush crescente.

***

**

Eu estou me cobrando muito mais maturidade agora. E serenidade também. Metade vazio, metade em excesso.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: