Freestyle de Ideias #03

Dqpx2Z1X4AAbL-i

O Reveillon dos Emo

Vocês já pararam pra pensar que o Dia das Bruxas é o último dia do décimo mês? Na prática, na prática, o Dia das Bruxas é a verdadeira virada do ano. Tanto o é que o recebemos com uma grande comemoração gótica, com doces, de preto e rímel. O Reveillon dos Emo.

Aí eu nasci. Um bruxo, protagonista dessa porra toda, o bebê enviado pelos céus para ser emo entre os humanos e feliz entre os espíritos.

Continue Lendo “Freestyle de Ideias #03”

Mais um post de aniversário. Já é o 10º.

Sem título

Amanhã, por uma inegociável força do destino, farei aniversário. Como de hábito, passei extremamente mal na semana do meu aniversário, desejando um fatídico desfecho para minha existência ao longo de todo este período. O desgraçado desfecho viria a chegar pelas eleições, mas por uma questão de manutenção do bom humor não abordarei este tema. Sem saúde nem condições democráticas para me estender numa crônica inédita, reproduzo aqui o texto do meu último aniversário, postado no meu antigo blog, e depois dele algumas reflexões para a nova idade.

Continue Lendo “Mais um post de aniversário. Já é o 10º.”

O Homem Fluvial

por Nelson Rodrigues

mario filho - foto 11

Amigos, Manchete pediu-me para escrever sobre Mario Filho. Ora, desde que meu irmão morreu, instalou-se em mim uma obsessão: falar dele e só dele. E Manchete não precisaria pedir. Minha vontade era sair, de porta em porta, dizendo a amigos, conhecidos e até desconhecidos: – “Mario Filho foi o único grande homem que eu conheci”. Vejam bem: o único, rigorosamente o único. Minha sensação é que, diante dele, todos nós somos pequeninos como aqueles anões de Velásquez. Tivemos cinquenta anos de convivência e, portanto, meio século de intimidade exemplar e implacável.

Vou começar dizendo que Mario Filho era de uma bondade desesperadora. Bom a cada minuto. Bom de uma bondade que, por vezes, nos agredia e humilhava. Se ele aparecesse, com um passarinho em cada ombro, eu não me admiraria com nada. Bom nada, a alegria de ser bom. Vejam todos os seus retratos: – era uma cara toda feita de alegria. Grato à vida, nunca se arrependeu de ser humano, de ser nosso semelhante. Era um ser atravessado de luz como um santo de vitral.

Continue Lendo “O Homem Fluvial”

Aquele do Gol do Pará

hqdefault

“Há um parentesco óbvio entre o Fluminense e o Flamengo. E como este se gerou no ressentimento, eu diria que os dois são os irmãos Karamazov do futebol brasileiro”
– Nelson Rodrigues

“A multidão ia para o Fla-Flu e o estádio do Fluminense não cabia de tanta gente. Era uma febre, uma epidemia de Fla-Flu. Ninguém estava livre dela: pegava feito visgo.”
– Mario Filho

***

Eu tenho um amigo, o Riccola, que dentre todas as pessoas que conheço talvez seja a melhor, mas reincide diariamente em um terrível erro que acomete somente aos piores seres humanos deste planeta: ele é flamenguista.

Continue Lendo “Aquele do Gol do Pará”

A Geração ZapZap e O Sênior Midiotizado

dpvymhiw4aa4uaz.jpg

 

Vocês já notaram como adultos geralmente são patéticos na Internet? Gosto de chamá-los de Geração do ZapZap, um pessoal de 40 anos pra cima que aderiu recentemente ao mundo virtual e esta parece ter sido a pior coisa que poderiam ter feito.

Viciados em Whatsapp, eles já chegaram atualizando o nome para Zap Zap, o que já mostraria bem sua falta de senso estético, não fosse a ressignificação pós-irônica do termo, que viciou a todos nós nas nomenclaturas de Zap, Led Zappelin, Bashar a la Zap, Zap Efron, entre outros nomes da Comunidade Zapping Zonica.

Continue Lendo “A Geração ZapZap e O Sênior Midiotizado”

relatos de uma autoestima #03

 

enhanced-buzz-20372-1416410918-13

Ao longo de toda a minha carreira de atleta, permaneci imune à maioria das mazelas que afligem a carreira de jogadores, como lesões, suspensões, perseguições e outros ões diversos. Sempre fui, contudo, vítima de um problema devastador que ceifou qualquer possibilidade de seguir uma profissão esportiva: eu sou ruim em todos os esportes.

Sempre que me chamavam para jogar futebol, eu, que nem chuteira tinha até pouco tempo, sacava meu allstar e ia para a parte defensiva do campo, pois minha expertise, mais do que dominar uma bola, era dar carrinhos. Se me faltava técnica, sobrava vontade – mas só nos primeiros cinco minutos, antes de cansar; depois faltava tudo.

Continue Lendo “relatos de uma autoestima #03”