relatos de uma autoestima #04 – O Dia Em Que Beijei Uma Gringa

Dn3jm3GXcAEASDL.jpg

As pessoas sempre elogiaram meu sorriso. Não o sorriso natural, espontâneo, que mostra um pouco da gengiva e dá um contorno grosseiro aos meus lábios, mas o sorriso forçado, aquele de fotos e situações desconfortáveis em que vestimos uma máscara agradável de nós mesmos. É por que meus dentes, de fato, além de bem brancos e de tamanho e alinhamento ideais, são bem bonitos, de forma que eu posso manipular meu sorriso para mostrar somente eles, ato que minha mãe chama de “sorriso idiota” e meus amigos de “sorriso colírio”.

Essa minha mesma mãe, sempre com comentários precisos sobre o ser humano que saíra de seu ventre, disse algumas vezes ao longo de minha vida que meu “rosto era bonitinho, só o nariz que não, o nariz veio do pai, é gordinho, batatudo, se eu fosse você faria uma plástica pra deixá-lo arrebitadinho”. De fato, como eu já disse, meu nariz e meu queixo destoavam do resto do corpo, e empenhavam uma disputa particular para saber quem chegaria primeiro ao chão, disputa na qual o meu nariz, por incrível que pareça, levava vantagem, pois, se estava atrás na distância, esta diferença diminuíra bastante ao longo dos anos.

Continue Lendo “relatos de uma autoestima #04 – O Dia Em Que Beijei Uma Gringa”

A Geração ZapZap e O Sênior Midiotizado

dpvymhiw4aa4uaz.jpg

 

Vocês já notaram como adultos geralmente são patéticos na Internet? Gosto de chamá-los de Geração do ZapZap, um pessoal de 40 anos pra cima que aderiu recentemente ao mundo virtual e esta parece ter sido a pior coisa que poderiam ter feito.

Viciados em Whatsapp, eles já chegaram atualizando o nome para Zap Zap, o que já mostraria bem sua falta de senso estético, não fosse a ressignificação pós-irônica do termo, que viciou a todos nós nas nomenclaturas de Zap, Led Zappelin, Bashar a la Zap, Zap Efron, entre outros nomes da Comunidade Zapping Zonica.

Continue Lendo “A Geração ZapZap e O Sênior Midiotizado”

relatos de uma autoestima #03

 

enhanced-buzz-20372-1416410918-13

Ao longo de toda a minha carreira de atleta, permaneci imune à maioria das mazelas que afligem a carreira de jogadores, como lesões, suspensões, perseguições e outros ões diversos. Sempre fui, contudo, vítima de um problema devastador que ceifou qualquer possibilidade de seguir uma profissão esportiva: eu sou ruim em todos os esportes.

Sempre que me chamavam para jogar futebol, eu, que nem chuteira tinha até pouco tempo, sacava meu allstar e ia para a parte defensiva do campo, pois minha expertise, mais do que dominar uma bola, era dar carrinhos. Se me faltava técnica, sobrava vontade – mas só nos primeiros cinco minutos, antes de cansar; depois faltava tudo.

Continue Lendo “relatos de uma autoestima #03”

Freestyle de Ideias #02

CO9chQyWgAIdFdh

Se possível, não devemos alimentar animosidade contra ninguém, mas observar bem e guardar na memória os procedimentos de cada pessoa, para então fixarmos o seu valor, pelo menos naquilo que nos concerne, regulando, assim, a nossa conduta e atitude em relação a ela, sempre convencidos da imutabilidade do caráter. Esquecer qualquer traço ruim de uma pessoa é como jogar fora dinheiro custosamente adquirido. No entanto, se seguirmos o presente conselho, estaremos a proteger-nos da confiabilidade e de amizades tolas.

Continue Lendo “Freestyle de Ideias #02”

Espetáculo no Escuro

DmhcRrlXsAAREqj

Um barulho tremendo lancinou no meio da rua e as luzes de toda a vizinhança se apagaram de repente.

Alejandro ficou como que paralisado por alguns instantes, esperando pelos próximos acontecimentos. Imediatamente o alarme de um carro começou a tocar bem no fundo. O coração dera um único pico, suficiente para uma volúpia assomar-lhe o peito e disparar seus batimentos.

Olhou para o celular. 2% de bateria. Agora sim acendeu-se-lhe no peito um desespero sem precedentes. As horas seguintes subitamente pareceram que durariam dias, meses, como que uma eternidade. Seria obrigado a dormir cedo, não apenas cedo – impensavelmente cedo.

Continue Lendo “Espetáculo no Escuro”

Carta a Um Jovem Poeta

C6QdV0SXMAEi17d

Borgeby Gard, Flàdie, Suécia, 
12 de agosto de 1904

Não se deixe enganar em sua solidão só porque há algo no senhor que deseja sair dela. Justamente esse desejo o ajudará, caso o senhor o utilize com calma e ponderação, como um instrumento para estender sua solidão por um território mais vasto. As pessoas (com o auxílio de convenções) resolveram tudo da maneira mais fácil e pelo lado mais fácil da facilidade; contudo é evidente que precisamos nos aferrar ao que é difícil; tudo o que vive se aferra ao difícil, tudo na natureza cresce e se defende a seu modo e se constitui em algo próprio a partir de si, procurando existir a qualquer preço e contra toda resistência. Sabemos muito pouco, mas que temos de nos aferrar ao difícil é uma certeza que não nos abando-nará. É bom ser solitário, pois a solidão é difícil; o fato de uma coisa ser difícil tem de ser mais um motivo para fazê-la.

Continue Lendo “Carta a Um Jovem Poeta”